Um pedaço para cada esquema é a solução?

Esses dias eu ouvi uma música no rádio que dizia algo do tipo “você partiu meu coração, agora é um pedacinho para cada esquema”. Nada contra a música, por sinal ela é bem divertida de ouvir, cantar e dançar, porém me fez refletir o quanto essa letra da música representa uma grande parcela do que as pessoas estão vivendo atualmente.

Infelizmente após uma decepção parece mais fácil se fechar para o amor, sair com diversos “esquemas”, porque assim acreditamos que não sofreremos mais.

Descobri esses dias que a geração de adolescentes hoje chamam os relacionamentos que eles vivem de ‘iludir’, ou seja, não se pergunta mais se a pessoa está namorando, mas sim ‘quantos você está iludindo?’, onde a pessoa está na verdade querendo saber ‘quantos esquemas você tem?’, ‘quantas pessoas você está saindo ao mesmo tempo?’. E ao perguntar o porquê fazem isso, a resposta é ‘porque não acredito no amor’, ‘para não me machucar’ e por aí vai. E essa resposta, essa sensação de que assim a vida fica mais fácil está sendo vivida pela maioria das pessoas, independente de idade. E as atitudes vividas pelos mais jovens muitas vezes são reflexos das dores de amor que estão crescendo na geração dos mais velhos.

Sabemos que os relacionamentos podem sim trazer momentos tristes, deixar cicatrizes, mas ele também tem um poder curador excepcional, porém optamos por focar nas dores e ofuscamos as flores.

Por experiência própria, sair somente com “esquemas” ou ser somente “esquema” de alguém traz mais dores do que esperar ou investir em um amor sincero. O mais engraçado é que muitas vezes, mesmo sem assumir, o que as pessoas mais desejam é que esse “esquema” se torne amor.

Nosso coração está partido? Vamos consertá-lo, vamos curar as feridas, perdoar, olhar com gratidão para o relacionamento que acabou e trouxe aprendizados e, quando estivermos fortalecidos depois da decepção, o melhor é voltar a acreditar no amor e se abrir para ele.

O amor sincero cura a dor!!

Como já dizia o poeta: “é impossível ser feliz sozinho!”

Claudia Barbieri

 

Compartilhe:Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn

Deixe uma resposta